14 fevereiro 2021

SOBRE NÓS


Hoje, dia dos namorados, recebi de ti dois corações de papel, entrelaçados, com os nossos nomes e a data de hoje. 

Fez-me refletir em como somos felizes e nos completamos.  Não sou de escrever sobre nós mas hoje é necessário, preciso de deixar escrito a sorte que tive, que tivemos os dois.

Foi um encontro casual, daqueles que só acontecem em filmes românticos, mas já passaram mais de vinte anos. Se de inicio foi intenso mas com algum receio do futuro, hoje é intenso e tranquilo.

Não carregamos o nosso passado, cada um tinha uma história de vida diferente que ficou parada no dia em que definitivamente nos juntamos, mas trouxemos a experiência e sabíamos o que não queríamos para nós.

Eu trouxe filhos que depois nos deram netos, netos nossos que nos amam de igual modo.

E assim passaram os anos, a pouco e pouco, trabalhando, passeando e amando em perfeita sintonia e cumplicidade. Fizemos conceções das nossas diferenças, respeitamos as nossas opiniões e unimo-nos no mesmo caminho.

A pandemia juntou-nos todas as horas do dia, retirou-nos as influências externas, muitas das comodidades a que estávamos habituados e quase toda a liberdade de sair, mas a vida mostrou-nos que continuávamos  felizes e companheiros mesmo de um modo diferente.

Sentimos a falta dos afetos familiares, saudades de conviver com quem gostamos, das brincadeiras e abraços dos netos, isso sim, é díficil de aguentar, mas nós continuamos juntos e sobretudo com saúde.

E há quase um ano que estamos dia a dia, hora a hora, minuto a minuto em perfeito e total convívio, em completa sintonia, com o respeito e alegria de nos termos um ao outro.

Sou grata ao Universo, muito grata.

@Cristina Mestre

11 janeiro 2021

SOBRE O ENVELHECER


É natural que as pessoas tenham receio de envelhecer.
É natural, sim !

Mas se pensarmos que faz parte do nosso percurso de vida, que se envelhecemos é apenas porque não morremos em novos, que enquanto envelhecemos vamos aprendendo um sem fim de coisas ao longo da vida ...

Temos apenas que envelhecer com qualidade de vida, fazendo as coisas que nos dão prazer e tendo a opção de escolher o que queremos para a nossa vida.

Para isso temos de construir o futuro todos os dias e desde cedo. Temos de nos manter saudáveis, moderados em todas as vertentes, tipo: não fumar, não comer em demasia, dormir o suficiente para que nossa mente descanse e sermos ativos e autómatos.

Para sermos ativos mesmo quando envelhecemos é preciso termos optado por uma vida não sedentária, não nos entregarmos a preguiça, ao carro, aos elevadores. Teremos de trocar algumas vezes o sofá da sala por uma boa caminhada é uma opção saudável e preventiva para a nossa velhice.

As rugas não incomodam, a flacidez é própria, os cabelos brancos dão charme...

Medo da velhice? Devemos apenas ter receio das doenças e das incapacidades provocadas pelas nossas opções na juventude e na fase adulta.

Vida saudável, mente limpa, raivas e rancores inexistentes, tolerância, gratidão e muito amor por nós e pelos outros.

Medo de envelhecer? Não, de todo!

@Cristina Mestre

03 janeiro 2021

SOBRE A AMIZADE


"Amizade não é mesmo uma questão de presença física, amigo não precisa ESTAR, amigo precisa SER, apenas"

Uma frase tão usual e que para mim é a definição mais clara e verdadeira sobre a amizade.
Há pessoas que nos impõem a sua presença como amigos, tecem-nos inúmeros elogios, aproveitam a nossa atenção para desfiar um rol de amarguras que os atormentam e logo depois partem sem aviso ou despedidas. 

No entanto, há as que entram devagarinho, com poucas palavras, sem quase darmos por isso mas depressa ocupam um pedaço do nosso coração. Isso é amizade, é partilha, preocupação, querer bem ou ter saudade. Um amigo não precisa sequer estar perto de nós, pode estar a quilómetros de distância, noutro continente até, mas nunca nos esquece e tem sempre interesse em saber se estamos bem. Está à distância de um telefonema ou de uma mensagem, mas está sempre presente.

Um amigo é sincero, verdadeiro e desprovido de interesses. 
Na amizade, o reencontro é sempre uma festa, uma emoção, um sentimento profundo de ternura e contentamento.
Quando partem, temporária ou definitivamente, só deixamos de os ver porque o sentimento aumenta, cresce com a saudade.
Estes amigos são património da nossa vida.
Amizade é o mais puro dos sentimentos.

@Cristina Mestre

02 janeiro 2021

SOBRE O EGO


Ego é o "eu de cada pessoa"
O ego deveria ser a personalidade e feitio de cada um de nós, sem filtros, apenas o seu "ser" puro e transparente. Mas vivemos num mundo de competição e aparências e o ego começou a precisar de alimento.
Alimentar o ego para alimentar as aparências.
Ninguém precisa de aparentar ser o que não é ou ter o que não tem. Não é necessário viver em constante competição com o amigo, vizinho ou colega. A competição saudável ajuda a evoluir mas não modifica a personalidade.
Nascemos livres de formatações ou vícios e não precisamos deles para nos afirmarmos na vida.
Não devemos seguir os hábitos pré-concebidos só porque sim ou porque nos torna notáveis ou superiores.
Tudo tem uma razão. Tente sempre aprender em todas as situações, porque tudo que acontece tem um propósito, deixa um ensinamento e uma evolução.
Devemos seguir o nosso caminho, saltar os nossos obstáculos, contornar as nossas dificuldades, porque eles são nossos!
Não precisamos de seguir ninguém porque todos somos diferentes e todos temos a nossa própria vivência.
Viva a sua vida com verdade, com a intuição e o coração.
Tudo que faz parte dela faz parte do seu percurso e é isso que vai construindo o seu futuro.
Valorize os seus amigos, os amigos sinceros (se não forem sinceros não são amigos, são apenas pessoas que deixam ensinamentos) e para os amigos sinceros não é preciso parecer o que não é.

Quando deixar o parecer e encontrar o ser, encontra a sua tranquilidade.

Não se deixe formatar, seja apenas, seja igual a si.
SEJA!

@Cristina Mestre

01 janeiro 2021

SOBRE A ESPERANÇA


No primeiro dia do novo ano é hora de refletir sobre aquele que foi o mais estranho das nossas vida e sobre tudo que nos ensinou. Terminou agora e deixou recados à humanidade que não deveríamos esquecer nunca.

Recados como a certeza de que por mais diferentes que achemos que somos, percebemos que afinal todos nós nos tornamos igualmente frágeis e vulneráveis a qualquer pandemia ou catástrofe que nos apareça. 
Que os bens materiais são completamente inúteis quando somos impedidos de os utilizar, que os bens maiores que temos são a saúde e a paz de espírito.
Se perdemos algum dos nossos não remedeia pensar o que deveríamos ter feito, mas pensar o que iremos fazer quando alguém se afastar, saber porque o fez e como o podemos ajudar.

Dar todo o valor e prioridade à família, abraçá-los sempre que podermos, ouvi-los e mima-los só porque são o melhor das nossas vidas.

Devemos acreditar nas amizades sinceras, desprovidas de tudo para além de sentimentos verdadeiros alimentados continuamente e nunca deixarmos de dizer o quando gostamos delas ou apenas perguntar-lhes se está tudo bem ouse precisam de nós.

Este ano fomos afastados da família, dos amigos e de todas as pessoas com quem habitualmente cruzamos fisicamente, assim podemos perceber a falta que nos fazem os afetos, os abraços, o conforto de estar perto de alguém e ver no rosto as suas emoções.  
Aprendemos que o melhor da vida é mesmo a Saúde e o Amor. 

Que este ano nos traga tudo o que nos tirou em 2020 e não nos deixe esquecer o que realmente precisamos nas nossas vidas.

É com esta esperança que termino a reflexão do ano.
Esperança no futuro.

@Cristina Mestre

28 dezembro 2020

SOBRE A ANSIEDADE

A ansiedade é um estado emocional provocado pelo medo.
O medo é a antecipação de um resultado indesejado.
Temos medo de falhar num determinado objetivo, numa tarefa que nos foi proposta, num exame (escolar, profissional ou médico) que teremos de fazer, das hipotéticas criticas que nos atinjam…

Chegamos assim à conclusão que a ansiedade é medo de algo que ainda não aconteceu, então podemos dizer que a ansiedade é provocada pelo medo do futuro.

Sabemos que a vida é feita de momentos, de pedaços de tempo que vão formando o nosso dia.
Podem ser bons, menos bons ou até maus, mas são momentos com os quais temos de lidar. Então só temos de saber resolver da melhor maneira os momentos atuais.

Preocupações com o que vai acontecer é entrar em sofrimento com uma situação que pode nem se concretizar.

Se alimentarmos a ansiedade ela irá crescer e tomar conta de nós.

A ansiedade prolongada provoca cansaço físico e mental, depressão e até doenças que poderão vir a tornar-se crónicas.
Não vamos adoecer por motivos que só existem na nossa imaginação.

Que fazer?

Sair de casa, focar a mente no que estamos a fazer, ligar a televisão ou o rádio, ler, escrever, cantar, dançar…alguma coisa que nos dê prazer e nos faça desviar os pensamentos.
Requer força de vontade e persistência, porque a tendência é sempre voltar a pensar no que nos está a preocupar.

Não é fácil, mas se nos focarmos nessa pretensão vamos conseguir.

Se nos habituarmos a afastar de imediato as ideias que nos atormentam, entramos num processo de automatização e de libertação dos medos.

Deixei para o fim o mais eficaz método de combate à ansiedade: a meditação.
Mas sei por experiência própria que não é fácil meditar em pleno estado de ansiedade.

Então poderemos começar por fazer um relaxamento físico, de preferência deitados de costas, respiramos profunda e lentamente, e relaxamos mentalmente uma parte do corpo de cada vez. Os pés, pernas, abdómen, mãos, braços…até chegar ao topo da cabeça. Com calma e sempre focados nessa parte do corpo que estamos a relaxar.

Podemos também procurar uma meditação guiada ou uma música relaxante e tranquila e sempre com o corpo em estado de relaxamento e de respiração profunda acompanhar o que estamos a ouvir. Servindo-nos da nossa imaginação para criar situações ou cenas que se relacionem com os sons.
Se a meditação guiada nos levar para um jardim nós tentamos imaginar que estamos no jardim, sentimos os cheiros do jardim…
Se a música for com sons da natureza nós integramo-nos nela e ouvimos a água, os pássaros…
Se for apenas uma música tranquila, imaginamos bailarinas, um músico a tocar um instrumento, uma orquestra…

A imaginação é um princípio para manobrar a mente e quando conseguirmos o seu controle podemos passar à meditação no vazio, no silêncio.

Passamos a ser só nós connosco próprios.

Nessa altura estamos preparados para combater qualquer estado de ansiedade.

@Cristina Mestre